Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias Contadas

TSF runners - eu fui!

São cerca de 10,5 quilómetros em linha recta no eixo Terreiro do Paço – Av. Infante D. Henrique, com início e fim na Praça do Comércio e retorno na rotunda 25 de Abril, no Poço do Bispo. A única subida é a da ponte de Santa Apolónia, logo no início da prova e, novamente, no regresso, já próximo da meta. Desinteressante no que se refere a paisagem, mas, sem dúvida, uma boa prova para uma estreante como eu.

TSFRunners01 by HContadas

Como em tudo, a primeira prova tem um gosto especial. E o desconhecimento de quem não sabe ao que vai. Mas, o Nuno sabia e optou por me acompanhar, ou não fosse ele companheiro de viagem. O tiro da partida ouviu-se ao longe e, movidos pela multidão, começámos a correr alguns instantes mais tarde. Os primeiros três quilómetros foram difíceis. Os nervos tomaram conta de mim e com eles uma moinha junto às costelas, também conhecida por dor de burro (ou burra, neste caso). Nem mesmo a playlist que me acompanha sempre conseguiu dar aquele push de energia. "Respira fundo, tão devagar quanto conseguires" dizia o Nuno. E eu respirava. Qual grávida em trabalho de parto. Mas nada! A dita continuava por lá. A certa altura habituei-me a ela e, distraída com os corredores que vinham em sentido contrário, fui avançando, ao meu ritmo, à minha passada, passada lenta de quem respeita todos os quilómetros que ainda tem pela frente. O marco seguinte foi a subida da ponte de Santa Apolónia. Não são mais do que 100 m, mas, depois de 8 quilómetros a correr, assusta... "Ajuda com os braços" disse o Nuno. Eu obedeci e cheguei ao topo da ponte, ou do mundo como na canção.

TSFRunners02 by HContadas

Depois veio a descida. Descer nunca foi o meu forte. Faz-me doer os joelhos e prefiro controlar a passada. Por nós passaram vários corredores, aproveitando o balanço e a ajuda dos santos. Não desanimei. A moinha tinha finalmente desaparecido. No seu lugar, a música que me dá toda a energia que preciso. E acelerei. Como acelero sempre que ouço esta música. Ao longe, começou a vislumbrar-se a meta. A música cada vez mais alta. As pernas a responder. Em frente, sempre em frente. E chegámos, 1:04:36 depois chegámos ao local de partida! No peito o sentimento bom de missão cumprida. Na cara o mapa mundo pintalgado em tons de encarnado. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

About me

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D