Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias Contadas

TSF runners - eu fui!

São cerca de 10,5 quilómetros em linha recta no eixo Terreiro do Paço – Av. Infante D. Henrique, com início e fim na Praça do Comércio e retorno na rotunda 25 de Abril, no Poço do Bispo. A única subida é a da ponte de Santa Apolónia, logo no início da prova e, novamente, no regresso, já próximo da meta. Desinteressante no que se refere a paisagem, mas, sem dúvida, uma boa prova para uma estreante como eu.

TSFRunners01 by HContadas

Como em tudo, a primeira prova tem um gosto especial. E o desconhecimento de quem não sabe ao que vai. Mas, o Nuno sabia e optou por me acompanhar, ou não fosse ele companheiro de viagem. O tiro da partida ouviu-se ao longe e, movidos pela multidão, começámos a correr alguns instantes mais tarde. Os primeiros três quilómetros foram difíceis. Os nervos tomaram conta de mim e com eles uma moinha junto às costelas, também conhecida por dor de burro (ou burra, neste caso). Nem mesmo a playlist que me acompanha sempre conseguiu dar aquele push de energia. "Respira fundo, tão devagar quanto conseguires" dizia o Nuno. E eu respirava. Qual grávida em trabalho de parto. Mas nada! A dita continuava por lá. A certa altura habituei-me a ela e, distraída com os corredores que vinham em sentido contrário, fui avançando, ao meu ritmo, à minha passada, passada lenta de quem respeita todos os quilómetros que ainda tem pela frente. O marco seguinte foi a subida da ponte de Santa Apolónia. Não são mais do que 100 m, mas, depois de 8 quilómetros a correr, assusta... "Ajuda com os braços" disse o Nuno. Eu obedeci e cheguei ao topo da ponte, ou do mundo como na canção.

TSFRunners02 by HContadas

Depois veio a descida. Descer nunca foi o meu forte. Faz-me doer os joelhos e prefiro controlar a passada. Por nós passaram vários corredores, aproveitando o balanço e a ajuda dos santos. Não desanimei. A moinha tinha finalmente desaparecido. No seu lugar, a música que me dá toda a energia que preciso. E acelerei. Como acelero sempre que ouço esta música. Ao longe, começou a vislumbrar-se a meta. A música cada vez mais alta. As pernas a responder. Em frente, sempre em frente. E chegámos, 1:04:36 depois chegámos ao local de partida! No peito o sentimento bom de missão cumprida. Na cara o mapa mundo pintalgado em tons de encarnado. 

6 comentários

Comentar post

About me

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Histórias Contadas no Bloglovin

Follow on Bloglovin

Histórias Contadas no facebook

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D