Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias Contadas

Assuntos de mães

(a ti, que hoje acordaste com o coração pequenino como uma noz)

Partir a cabeça faz parte da infância de todos nós. Ou partir uma perna. Ou partir um braço. Tão certo como aprender a nadar ou a andar de bicicleta.

Partir a cabeça assume uma dimensão completamente diferente quando de filhas passamos a mães. Porque agora quem parte a cabeça são os nossos filhos, ou sobrinhos, ou afilhados. Aqueles que nós queremos proteger acima de tudo!

Há quase 7 anos atrás, no dia em que o G. nasceu, estava eu para lá de K.O. depois de demasiadas horas de trabalho de parto, e vendo-o ali, indefeso, a dormir ao meu lado, questionei-me sobre o que deveria fazer a seguir: continuar a observá-lo pela noite fora (para ter a certeza que o coração batia), ou fechar eu também os olhos e colocar nas mãos de Deus a sua (nossa) existência. Optei pela segunda. Desde então, tem sido esta a minha filosofia de vida.

Claro que já apanhei vários sustos. Um deles aconteceu quando estava grávida da M. Ia eu a atravessar a rua com o G. ao colo quando me desequilibrei a ponto de cairmos os dois três no chão. Naqueles instantes que antecederam a queda, só tive tempo para pensar qual seria o melhor ângulo para cair. As hipóteses não eram muitas, com uma barriga de seis meses e uma criança de ano e meio ao colo. Virei-me, para cair de lado, puxando-o para mim, para evitar que batesse no chão. A coisa não correu como eu esperava e ele não só bateu com a cabeça no chão, como ficou com a testa bastante mal-tratada. Voei para o hospital e fui atendida por uma médica novinha que me pediu para despir o menino, para o examinar. Como sabes, o G. sofre de eczema de pele, que tem como sintoma manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, e, por aqueles dias, estava com uma crise “daquelas”. Quando levantei a camisola e ela viu o seu pequeno corpo todo vermelho, a par com a ferida na testa, fitou-me com um olhar que revelava, simultaneamente, espanto e horror. Corei até às pontas do cabelo e apressei-me a dizer “Ele sofre de eczema de pele”.

Estes episódios fazem-nos perceber toda a nossa impotência, apesar de mães. Deixam-nos com um sentimento de profunda tristeza e de culpa sobre o que se passou. Algo que gostaríamos muito, mas, infelizmente, não conseguimos controlar e, muito menos, evitar. Porque nós somos humanas. E porque faz parte do crescimento de todas as crianças. Tão certo como aprender a nadar ou a andar de bicicleta.

About me

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Histórias Contadas no Bloglovin

Follow on Bloglovin

Histórias Contadas no facebook

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D