Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias Contadas

A história da Costureira de Palavras

Costureira de Palavras Story

Conheci a Marta no final de 2012 quando a Home Glam fez uma parceria com a Zankyou. Na altura preparou este post que me deixou encantada. A partir daí fui acompanhando o seu trabalho. Por tudo isto e muito mais, quando iniciei esta série de entrevistas, o nome da Marta foi dos primeiros a surgir. Deixem-se encantar pelo mundo desta Costureira de Palavras, que emociona e faz emocionar.

I met Marta in late 2012 when Home Glam made a partnership with Zankyou. By that time, Marta wrote this lovely post about Home Glam. Since then I continue to follow her work. For all these reasons, when I started this series of interviews, Marta’s name was one of the firsts to emerge. Let yourself be enchanted by the world of this Costureira de Palavras (Words Seamstress).

HContadas-CostureiraPalavras01

© Bruno Pires

Fale-nos um pouco de si. Conte-nos a história da Marta que criou o blogue Costureira de Palavras. 

Esta pergunta tem muita graça; de facto, tenho muitas histórias de Martas em mim. Sobre a ‘Marta que criou o blogue Costureira de Palavras’ que há em mim, diria que, antes de mais, sempre escrevi. Sempre foi a escrita a minha linguagem preferida. Com alguns exageros, em certas alturas da minha vida, ou seja: cheguei a sentir que havia coisas que só conseguia transmitir pela escrita, em detrimento da fala. Uma espécie de ‘princípio da escrita’, para tomar de empréstimo da noção de ‘princípio da oralidade’ do Direito. Claro que, nestas coisas da comunicação, tem que haver sintonia entre as partes para a mensagem passar… Hoje comunico com perfeita normalidade! Mas continuo a precisar da escrita para me estruturar. Disse um dia que escrevo para pensar melhor, acho que isto me define.

A Marta está envolvida em vários projectos: o S, o blogue Senhoras da Nossa Idade, o Costureira de Palavras e, até, um livro para crianças. Como consegue conciliar estas várias actividades?

É capaz de ser essa a minha principal (e mais difícil) actividade, conciliar. Sempre a aprender, claro. Eu funciono assim, é a minha natureza ser mulher dos sete instrumentos. Mas acho que o meu maior defeito é entusiasmar-me primeiro e avaliar depois. Este ano percebi que não posso, não consigo abraçar tudo e para que as coisas sejam feitas em condições, tenho que dizer mais vezes não, por muito que me custe.

Assim sendo, actualmente divido-me essencialmente em duas esferas: a Costureira de Palavras e a edição de conteúdos nos sites Simplesmente Branco e SBaby. O blogue Senhoras da nossa idade é um lugar onde vou pôr a conversa em dia com três amigas que estão longe; e os livros para crianças fazem parte dos projectos da Costureira.

Recentemente abraçou dois projectos relacionados com crianças: o Simplesmente Baby e o livro Balbúrdia na Fábrica de Brinquedos. De que forma é que ser mãe a tem ajudado nestes projectos?

Acho que uma coisa não existiria sem a outra. A razão porque quis embarcar com a Susana Esteves Pinto e a Rute Porto na aventura SBaby, para além do gozo enorme que é trabalhar nesta casa, foi precisamente o facto de tratar-se de um universo que me diz tudo agora. O meu filho tem três anos e meio, a linguagem SBaby é a minha e isso dá-me especial prazer.

Quanto ao livro, bem, esse nasceu na creche onde anda o Francisco. É um projecto muito importante para mim, foi através deste desafio do Universo Imaginário que conheci a Mariana Rebocho, autora das ilustrações, que hoje é uma grande amiga e com quem estou a desenvolver outras ideias para o público infantil… e não só.

Can you tell us something about yourself? Can you share the story of Marta that launched Costureira de Palavras (Words Seamstress) blog?

This is a funny question. In fact, I have several Marta’s stories! About this one, the story of Marta that launched Costureira de Palavras blog, I must say that I have always written. Writing has always been my favorite language. And during some stages of my life I thought that I prefer to express myself writing rather than speaking. We can call it the Principle of Writing, like The Principle of Orality. Today I communicate perfectly well! But I still need the writing to structure my ideas. Once I said that “I write to think better”, and I think this sentence defines me.

You are working on several projects at the same time: S project, Senhoras da nossa idade blog, Costureira de Palavras project and, more recently, writing a children’s book. How do you manage these different projects?

Reconcile is probably my main (and most difficult) activity. I’m, by nature, like Jack of all trades.  I think my biggest mistake is to get excited before evaluate the consequences of a new project. This year I realized that I cannot embrace every single project, no matter how interesting it might be. Once in a while I must say “no”.

By now I work mostly in two main projects: Costureira de Palavras (Words Seamstress) and copywriting for the Simplesmente Branco and SBaby websites. Senhoras da nossa idade (Ladies of our age) blog is the place where I catch up with three dear friends who are far away. The Children’s books are part of Costureira de Palavras project.

You recently embraced two projects related to children: Simply Baby and the book Balbúrdia na Fábrica de Brinquedos (Mess at the Toys Factory). How has being a mom helped on these projects?

I think one thing wouldn’t exist without the other. The reason that made me start working with Susana Esteves Pinto and Rute Porto in SBaby adventure in the first place, besides the huge joy I feel by working with them, was precisely the fact that this is a well-known universe for me at this stage of my life. My son Francisco is three and a half years old, so SBaby language is my daily language and it gives me great pleasure.

As for the book, well, this project was born in Francisco daycare center. It is a very important project for me. It allowed me to meet Mariana Rebocho, responsible for the illustrations, who become a great friend and with whom I am developing other ideas.

HContadas-CostureiraPalavras02

Balbúrdia na Fábrica dos Brinquedos | Mess at the Toys Factory

O seu blogue chama-se Costureira de Palavras. O que a motivou a criar este blogue e porquê o nome?

Fui jornalista de viagens durante onze anos e, depois do nascimento do meu filho, adoptei uma postura profissional mais autónoma. Aconteceu as principais solicitações que tive na área da edição de conteúdos terem sido na esfera dos eventos e foi a entrada nesta área que me fez pensar que haveria espaço para uma Costureira de Palavras – no fundo, aquilo que eu sempre tinha feito, informalmente, para amigos.

Desenvolvi então o conceito de escrita por medida. A aproximação ao trabalho da costureira foi um bocado natural e a analogia ajuda a passar o conceito dos serviços que proponho. As pessoas recorrem a mim porque têm algo a transmitir mas não sabem exactamente como lhe dar a forma ideal. Eu tiro muitas medidas, ou seja, faço muitas perguntas, e quando me sinto capaz de encarnar a personagem e produzir aquilo que ela tem em mente, escrevo.

Há outra razão por detrás deste nome. Costureira de Palavras é uma designação que remete para uma acção. A costureira é alguém que faz coisas, ninguém poria isso em causa. Ora, como sempre vivi com o facto de a escrita não ser considerada como ‘fazer’, desta forma mascaro-me para me revelar como aquilo que sou: uma fazedora de escrita.

Qual tem sido a receptividade das pessoas a este seu projecto?

A minha ideia é que a Costureira de Palavras surpreende. É um conceito desconhecido para a generalidade das pessoas. Depois de perceberem exactamente o que é e como funciona, grande parte dos meus clientes começa por abordar-me dizendo que era mesmo disto que precisava e nem sabia que existia!

Quando lê um blogue, o que é que capta mais a sua atenção: os conteúdos, o grafismo, ou ambos? 

Leio muitos blogues, há muitos anos, sempre por causa dos conteúdos. Mas confesso que, tal como tenho a preocupação de ir mantendo os meus blogues desempoeirados, incomoda-me perceber que alguém está a ser prejudicado por uma imagem muito desactualizada ou carregada de distracções. Já me aconteceu abordar bloggers a oferecer ajuda para adequar a imagem ao recheio, embora não seja, de todo, a minha área.

Pode falar-nos um pouco do seu local de trabalho? Tem algum quadro de inspirações – mood board? Descreva-o e diga-nos o que mais gosta nele.

Não tenho um mood board no verdadeiro sentido do termo. O meu local de trabalho é em casa, tenho um cantinho na sala, onde estou rodeada de pilhas de livros, cadernos, canetas, postais. Na parede à minha frente tenho um calendário semanal em ardósia (adoro escrever com giz) e desenhos do meu filho. E ao meu lado vou pendurando postais que recebo, são uma das minhas paixões.

Costureira de Palavras is your blog’s name. What motivated you to create a blog and why is it called like that?

I was a travel journalist for eleven years and, when my son was born, I decided to be a freelancer. The first copywriting orders I received happened to be in the field of events and by then I realized that there was space for a Costureira de Palavras.

By that time, I developed the concept of bespoke writing. The approach to the seamstress work happened naturally and the analogy helps to explain the service concept. People turn to me because they have something to say but they don’t know exactly how. I take measurements, i.e., I do many questions, and when I finally feel confidence to embody the character, I write.

There is another reason for this name. Words Seamstress is a name that refers to an action. A seamstress is someone who works and does physical things. Since I have always lived with the fact that writing is not considered an action, this name helps to show the real me: a writing maker.

How do people respond to your project?

I think that Costureira de Palavras surprises. It is an unfamiliar concept for most people. But once they realize what it is and how it works, most of my clients say that it is exactly what they needed and didn't know existed.

What do you prefer when you read a blog: content, design or both?

I read multiple blogs for many years, always because of the content. But I must confess that it bothers me to see that a blog is being affected by an outdated design or a home page full of distractions. I already approach some bloggers offering help on graphic design even it is not my expertise.

Can you describe your working space? Do you have an inspiration mood board? What you like most about it?

I don’t really have a moodbord. My workspace is at home. I have a space of my own in the living room where I keep books, notebooks, pens and postcards. On the wall in front of me I have a slate calendar (I love writing with chalk!) and my son's drawings. Hanging by my side I keep all kind of postcards. They are one of my passions.

HContadas-CostureiraPalavras03

Que conselhos dá a pessoas que, tal como a Marta, queiram lançar o seu próprio negócio na internet a partir de casa?

Aquilo que posso partilhar, a partir da minha experiência, é que, antes de mais, é importante fazerem algo que vos dê muito prazer. Trabalhar a partir de casa, gerir os próprios horários, não poder controlar a quantidade de trabalho que se concentra nalguns períodos, pode ser desgastante – a não ser que se corra por gosto.

Depois, falem com muitas pessoas, pessoas diferentes, recolham várias opiniões, procurem saber de que é que as pessoas precisam, como reagiriam a um serviço como o vosso, quanto estariam dispostas a pagar, etc.

Ajustar as expectativas também é fundamental. Nesta era de comunicações supersónicas, é fácil perdermos de vista o que é verdadeiramente importante. Crescer depressa é fácil, manter o crescimento não tanto.

E, finalmente, digam não. Separem cirurgicamente a vida pessoal da vida profissional. Definam limites. Este é o conselho mais difícil de seguir (eu contra mim falo) mas é a basilar.

O que podemos esperar como próximos projectos da Costureira de Palavras? 

Para já estou a trabalhar nalguns produtos personalizados dirigidos a crianças, livros e outros, em parceria com a ilustradora Mariana Rebocho. Contamos poder apresentá-los em Setembro no melhor local para o efeito, o SBaby.

Também gostava de investir mais nas histórias pessoais, tenho um trabalho agora em mãos que me vai ajudar a perceber como é que posso tornar isto exequível, os melhores processos, os timings, os preços. Imagine o que seria oferecer aos seus pais um livro, bem encadernado e paginado, um objecto bonito, que guardasse lá dentro a história do casal…

E para terminar gostava de lhe pedir para partilhar uma situação inesperada (divertida, caricata) que lhe tenha acontecido.

Um dos meus próximos trabalhos será escrever a letra para uma canção. Não posso adiantar muitos pormenores, mas é a primeira encomenda deste género que recebo na Costureira de Palavras e estou muito entusiasmada. Já ando a trautear a melodia e a imaginar o que poderia encaixar ali bem – seguramente, uma tarefa muito divertida.

What one piece of advice would you give anyone on how to start an online business from home?

What I can share from my experience, is that, first of all, you should do something you love. Working from home, manage your own schedules, and sometimes seeing the To do list grow out of your control, can be challenging - unless you really enjoy your work.

Then, talk to many people, different people, collect their opinions, seek to know that are their needs, how they would react to a service such as yours, how much would they be willing to pay, etc...

Setting expectations is also critical. In this era of supersonic communications, it is easy to lose sight of what is truly important. Growing fast is easy, but keep growing is not that easy.

Finally, say “no”. Strictly separate work from personal life. Set limits. This is the hardest advice to follow (I speak against me) but it is the main one.

Would you share with us your upcoming projects?

By now I'm working on some customized products for children as well as other books, in partnership with illustrator Mariana Rebocho. We plan to present them in September in SBaby.

I would also like to invest more in personal stories: just imagine offering your parents a beautiful book with their life story…

One last question: Would you share with us something funny or unexpected that happen to you?

One of my next projects will be writing the lyrics for a song. I can’t give you many details yet but it is the first order of its kind that I had at Costureira de Palavras and I'm really excited. Sometimes I start humming the melody and just imagine the lyrics – surely a really funny task!

 

Muito obrigada, Marta. Foi um prazer ter-te por cá!

Thank you very much, Marta. It has been a pleasure having you here!


Costureira de PalavrasBlog | Pontas soltas

About me

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Histórias Contadas no Bloglovin

Follow on Bloglovin

Histórias Contadas no facebook

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D